Bíblia de Gutenberg é avaliada em torno de US$300 milhões e doada a uma universidade, nos EUA

postado em: Notícias | 0

Uma universidade de Princeton (EUA) recebeu uma doação de livros e manuscritos raros, incluindo a Bíblia de Gutenberg, que foi impressa em torno de 1445 (D.C). Com seu valor estimado em aproximadamente 300 milhões de dólares, o livro é o maior presente já entregue à universidade, em toda a sua história.

A universidade “Ivy League” recebeu o presente do músico, musicólogo (estudioso), bibliófilo e filântropo William H. Scheide, um ex-aluno, que se formou pela instituição em 1936 da e faleceu em novembro de 2014, aos 100 anos.

“Através da generosidade de Bill Scheide, uma das maiores coleções de livros e manuscritos raros no mundo de hoje terá um lar permanente aqui”, disse o presidente da Universidade, Christopher L. Eisgruber.

A Bíblia de Gutenberg foi impressa na cidade alemã de Mainz (ou Mangúcia, em português), no ano de 1455 (ou 1456), e foi o primeiro livro substancial a ser impresso a partir de tipos móveis na Europa. Hoje, existem apenas 48 exemplares desta histórica edição, alguns dos quais estão nas universidades norte-americanas de Harvard e Yale, na Livraria Pública de Nova York, na Biblioteca do Congresso (EUA) e na “Morgan Library & Museum”, em Nova York, de acordo com a Bloomberg.

“Estas obras (manuscritos) vão ficar como uma coleção de definição para a Biblioteca de Firestone e da Universidade de Princeton”, Eisgruber acrescentou. “Eu não posso imaginar uma coleção facinante que esta para servir como o coração da nossa biblioteca. Estamos gratos pela dedicação eterna de Bill Scheide, de Princeton e seu compromisso de compartilhar sua coleção de tirar o fôlego com acadêmicos e estudantes para as gerações vindouras.”

A coleção inclui a impressão original da Declaração da Independência; um autógrafo de Beethoven (de próprio punho) em um bloco de desenho de partituras de 1815 / 16; impressões dos primeiros trabalhos de Shakespeare; manuscritos de músicas conhecidas com autógrafos de de Bach, Mozart, Schubert e Wagner; um discurso autografado por Abraham Lincoln, de 1856 sobre os problemas da escravidão; e livros com cópias das cartes do general Ulysses S. Grant, sobre últimas semanas da Guerra Civil.

A Biblioteca de Scheide estava alojada na biblioteca Firestone, de Princeton desde 1959, quando se mudou de sua cidade natal de Titusville, Pensilvânia.

“A generosidade de Bill era lendária”, disse a bibliotecário da Universidade, Karin Trainer em um comunicado. “Ele também era generoso com sua biblioteca”.

Ela também disse que “verdadeiro valor” da Biblioteca Scheide é o apoio que presta aos programas acadêmicos da universidade.

Fonte: Guia-me