Cientistas afirmam que podem reduzir a crença em Deus por meio de força magnética

postado em: Notícias | 0

A Bíblia aponta a fé como um dom de Deus, mas cientistas britânicos garantem que ela pode ser enfraquecida a partir de uma concentração de força magnética no cérebro.

Durante o estudo, pesquisadores da Universidade de Iorque, na Inglaterra e uma equipe da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, focaram em uma parte do cérebro que detecta e resolve problemas.

Metade dos participantes receberam uma baixa quantidade de energia magnética, que não afetou seus cérebros. Outra metade recebeu quantidade suficiente para diminuir as atividades no córtex frontal posterior medial.

Aqueles cujo alvo área do cérebro foi momentaneamente desligado relatou 32,8 por cento menos crença em Deus, anjos ou o céu. Além disso, eles eram 28,5 por cento mais positiva em seus sentimentos em relação a um imigrante que criticou seu país.

A equipe procurou descobrir se a crença religiosa e sentimento anti-imigrante foram respostas de gatilho para os problemas.

“As pessoas recorrem frequentemente à ideologia quando são confrontados com problemas”, disse o Dr. Keise Izuma, da Universidade de York do Departamento de Psicologia.

Izuma explica que os pesquisadores queriam descobrir se a região do cérebro responsável em solucionar problemas concretos, como decidir a forma de mover o corpo para superar um obstáculo, também estaria envolvido na resolução de problemas abstratos.

“Decidimos lembrar as pessoas sobre a morte, porque estudos anteriores mostram que as pessoas se voltam para a religião para se confortar diante da morte”, explica o psicólogo. “Como esperado, descobrimos que quando o córtex frontal posterior medial foi experimentalmente recusado, as pessoas se tornaram menos inclinadas às idéias religiosas de conforto”.

Izuma foi ainda mais longe. “Estes resultados são muito impressionantes. Eles consistem a ideia de que os mecanismos do cérebro que evoluíram para relativas funções básicas de ameaça-resposta são readaptados para também produzir reações ideológicas.”

Fonte: Guia-me