Placas antigas divulgam a vida dos exilados judeus na Babilônia

postado em: Notícias | 0

Uma pouco conhecida coleção de mais de 100 placas de argila em escrita cuneiforme, que remonta ao Exílio Babilônico cerca de 2.500 anos atrás, foi revelada, o que permite um vislumbre da vida cotidiana de uma das comunidades mais antigas de exilados do mundo.

Prof. Wayne Horowitz, um dos arqueólogos que estudaram as placas, diz que este é o arquivo judaico antigo mais importante desde a descoberta dos Manuscritos do Mar Morto.

Graças ao costume babilônico de inscrever cada documento com a data, de acordo com o ano do monarca no poder, os arqueólogos puderam datar as placas entre 572 e 477 aC. A placa mais antiga na coleção foi escrita cerca de 15 anos após a destruição do Primeiro Templo por Nabucodonosor, o rei caldeu da era neo-babilônica, que deportou os judeus para a Babilônia. A mais recente foi escrita cerca de 60 anos após o retorno de alguns dos exilados a Sião, que foi permitido pelo rei Ciro da Pérsia em 538 aC.

Até agora, muito pouco era conhecido sobre a vida da comunidade judaica que tinha sido arrancada de Jerusalém e deportada para a Babilônia. A coleção também corresponde com o texto bíblico em que o profeta Ezequiel escreve:”como eu no meio dos cativos, junto ao rio Quebar” (capítulo 1, versículo 1). O “rio Quebar” ou “aldeia do rio Quebar” aparecem várias vezes sobre as placas.

Os estimados 80.000 judeus que permaneceram na Babilônia-Iraque após o retorno a Sião formaram o que viria a se tornar uma das comunidades mais antigas de exilados do mundo, existente por cerca de 2.500 anos sem interrupção até 1948.

Somos lembrados aqui do Salmo 126: 1-2 : “Quando o Senhor trouxe do cativeiro os que voltaram a Sião, estávamos como os que sonham. Então a nossa boca se encheu de riso e a nossa língua de cântico; então se dizia entre os gentios: Grandes coisas fez o Senhor a estes.” Esse foi o segundo retorno de Israel a Sião: o primeiro é o seu regresso do Egito para Israel.

Hoje em dia, o terceiro de retorno está ocorrendo. Este terceiro e último retorno dos judeus à terra de Israel é descrito nos dois últimos versos do profeta Amós: “E trarei do cativeiro meu povo Israel, e eles reedificarão as cidades assoladas, e nelas habitarão, e plantarão vinhas, e beberão o seu vinho, e farão pomares, e lhes comerão o fruto. E plantá-los-ei na sua terra, e não serão mais arrancados da sua terra que lhes dei, diz o Senhor teu Deus.” (Amós 9: 14-15). — Arno Froese

Fonte: Beth-Shalom