Sites burlam buscas por passagens para achar preços mais baixos

postado em: Notícias | 0

O Skiplagged se usa, em sua busca por melhores preços, de táticas como a que ficou conhecida como “hidden city”, ou cidade oculta.

Por ela, em vez de uma passagem de São Paulo a Brasília, por exemplo, o consumidor compra um bilhete para Cuiabá que tenha escala na capital federal e esteja mais barato –e simplesmente não embarca na segunda viagem.

A prática, porém, tem ao menos três inconvenientes. Dependendo da modalidade de compra, o não comparecimento a um voo pode significar o cancelamento dos bilhetes seguintes.

Além disso, a bagagem não pode ser despachada, já que as empresas as levam diretamente ao destino final.

Por último, como pode estar burlando regras, o consumidor não acumula pontos nos programas de benefícios.

Outra tática para burlar preços altos de passagens é aproveitar o fato de valores variarem ao se alterar o local de compra dos bilhetes.

Em uma simulação feita pela Folha no site da Avianca, tendo como base o Brasil, uma viagem de Bogotá a Cartagena entre 20 e 25 de março saía por R$ 1.221, sem taxas. Ao informar que comprava da Colômbia, a reportagem encontrou as mesmas passagens por 806.640 pesos colombianos (ou R$ 963) –uma diferença de R$ 258).

Em sites de companhias americanas, no entanto, a simulação não funcionou da mesma forma; tampouco nos de empresas brasileiras.

Além disso, é preciso pesar que comprar uma passagem “estando” em outro país acarreta na cobrança de IOF no cartão de crédito –e o truque pode deixar de valer a pena.

A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) disse que não endossa nem proíbe a prática, seguindo o princípio da liberdade tarifária –o mesmo que permite às companhias, por exemplo, vender o mesmo bilhete por um preço pelo site e por outro no balcão do aeroporto.

Procurada, a Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas) não quis se manifestar, assim como a TAM. A Gol informou que não identifica essas práticas. A Avianca não respondeu até a conclusão da reportagem.

Fonte: Folha.com